O LEGÍTIMO ESTÍMULO DA COVID-19 PARA A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL, EXPLICA WESLEY VAZ

A transformação que a covid-19 trouxe se iniciou no momento em que combater a doença se tornou a necessidade mundial prioritária. O motivo mais singelo e simplista, a essência do argumento: sobreviver. Nossa programação genética é feita para reagir a ameaças vitais, o que fez da covid uma crise concreta, objetiva, a mais importante de uma geração.

Para que a transformação digital seja usada como uma estratégia efetiva de sobrevivência, a ameaça precisa estar clara e ser compreendida por todos. Se compreendermos que esse mesmo risco a vida está presente sutilmente em outras áreas do conhecimento, a transformação digital será cada vez mais concreta e realista.

Dos diversos problemas a resolver para enfrentar a crise, muitos deles têm sido atacados com o auxílio da tecnologia: algoritmos, testes de campo, sistemas integrados. Contudo, a crise passará sem que tudo seja resolvido da melhor maneira, mesmo com a tecnologia, e lamentaremos.

Há o risco de se concluir que a transformação digital das instituições durante a pandemia se resumiu ao aumento da interação remota, do teletrabalho, de novos aplicativos de acesso aos cidadãos ou novos métodos de pagamento de benefícios. A autorização para telemedicina e compras compartilhadas de insumos contra a crise, recém regulamentadas pelo governo, já poderiam ter surgido antes. Soluções como essas não são viabilizadas somente pela maturidade da tecnologia e pelo preparo técnico, mas sim pela urgência que a necessidade impôs.

Embora fundamentais, as tecnologias devem, além de ajudar a resolver os problemas graves e que vivemos agora, nos preparar para os próximos. O risco é que a transformação digital associada aos processos de gestão da pandemia possa ser interrompida quando a percepção da necessidade e urgência diminuir. E se isso acontecer, o aprendizado terá sido perdido e haverá retrocesso.

O aspecto digital mais relevante da crise até agora não vem da tecnologia em si, mas do reconhecimento do valor da informação, da constatação de que a saúde de cada um importa na saúde de todos. As informações sobre nós mesmos são muito valiosas para as corporações globais baseadas em informação, mas também o são para a coletividade. Tratar, processar, armazenar e custodiar essas informações exige preparo e responsabilidade dos governos para cumprir o seu papel com competência e total transparência, segundo as regras vigentes e com todos os direitos e garantias individuais e coletivas preservadas.

O Estado, instituição que passa por uma crise de confiança no mundo todo, é fundamental para a solução dessa pandemia. A transformação digital também é de transparência e de decisões com base em evidências, que podem se tornar instrumentos de aumento de credibilidade do Estado perante os cidadãos.

Além disso, mesmo com o uso intensivo da tecnologia para resolver problemas da Covid-19, a transformação digital nunca estará completa, pois se trata de um processo contínuo.

Grandes corporações digitais, responsáveis por redefinir mercados, se colocam diariamente em posição de ameaça, revisitando frequentemente suas estratégias de futuro. A Amazon por exemplo, a maior varejista americana, aumenta seus gastos de pesquisa em desenvolvimento ano após ano (US$ 36 bilhões somente em 2019), buscando na mudança e na transformação a sua estratégia para sobreviver no futuro. É um processo de se “transformar digitalmente” todos os dias, não em um susto pontual.

Estar pronto para a próxima grande necessidade é quase tão importante quanto sair da crise.  O futuro imediato pós-Covid deverá trazer um aumento do senso de alerta, a quebra de barreiras em relação à produção e ao uso de tecnologia e mais coragem para reconhecer a necessidade de aprender mais sobre os problemas de alcance nacional e global.

Se pandemias como essa ocorrem a cada geração, é bom lembrar que o Brasil vive desde sempre várias epidemias. Espalhadas por populações e regiões específicas, muitas vezes ignoradas pelo senso de urgência da mídia e que, se não gerenciadas adequadamente, serão forte candidatas a se transformarem em problemas mais graves.

As epidemias da qualidade da educação, da crise de segurança, do meio ambiente e da desigualdade, por exemplo. Dentro de cada uma, complexidade, discordâncias e interesses conflitantes limitam a efetividade e a seriedade do investimento em mudanças disruptivas. Para os que não estão infectados ou afetados por esses problemas, não há ameaça direta à vida, o que limita a sensação de necessidade urgente. É um equívoco, para muitos casos. As transformações de ruptura não podem surgir somente em ambientes de pandemia.

Como construir, para cada problema nacional grave, um senso de urgência similar ao que temos em ambiente de pandemia? Como convencer que alguns números nacionais (educação e desigualdade, por exemplo) equivalem a uma crise epidêmica de gerações, que ameaça lentamente vidas e futuros de todos, direta ou indiretamente? Como reconhecer a necessidade que a força de trabalho e o mercado brasileiros se preparem para o novo capitalismo pós-Covid, para a indústria de produtos e serviços digitais, e que temas como inteligência artificial avancem para que o país não se infecte com a epidemia de irrelevância global?

Não será preciso torcer para que novas transformações venham a força, quando novas epidemias surgirem. Infelizmente, elas já estão aqui. É preciso reconhecer que o impacto delas também pode custar muitas vidas e determinar o futuro próspero (ou não) das pessoas.

E que a transformação digital estimulada pelo enfrentamento à Covid-19 se mantenha ativa, que auxilie em outras epidemias crônicas e que não acabe quando a pandemia terminar.

Wesley Vaz

Wesley Vaz é servidor público federal, profissional certificado em estratégia e inovação pelo MIT e mestre em Ciência da Computação pela Unicamp. Co-autor do livro “A descomplicada contratação de TI na Administração Pública”.

Publicações recentes

A inexigibilidade de licitação pautada na notória especialização do profissional ou da empresa no Sistema S

Por:

Os novos Regulamentos para Contratação e Alienação do SESI e do SENAI estabelecem: “Art. 8º. O processo de seleção sem […]

10 de junho de 2024

A Lei 14.133/2021 e a participação de empresas reunidas em consórcio em licitação

Por:

Em preliminar importa observar que consórcio, para fins de licitação, se consubstancia na união transitória de duas ou mais pessoas […]

4 de junho de 2024

Sistema S e o cabimento da adoção dos regimes de execução de contratação integrada e de contratação semi-integrada

Por:

Os Regulamentos de Licitações e Contratos do SESCOOP, SENAC, SESC, SENAR, SENAT e SEST[1]  preveem: “Art. 4.º Para os fins […]

13 de maio de 2024