DADOS SÃO A NOVA VACINA, EXPLICA WESLEY VAZ

Nos últimos anos, a importância dos dados tem sido ressaltada como metáforas. “Dados são o novo petróleo”, pelo valor de mercado das empresas digitais. “Dados são a nova água”, por serem vitais e renováveis. “Dados são o novo urânio”, porque produzem energia mas precisam ser protegidos. Agora, os dados são a nova vacina, fundamentais para a construção de uma nova versão da sociedade, imunizada e humanizada.

Os Estados Unidos se tornaram o epicentro da pandemia, com mais de 330 mil infectados notificados e 8 mil mortes. No meio dessa crise, uma contratação inusitada: o Center of Disease Control (CDC) abriu uma vaga para Chief Data Officer. A função: liderar e administrar os dados sobre a saúde pública, além de garantir que a saúde pública se beneficie do uso ético dos dados para descoberta e inovação.

Para o combate e prevenção da crise global de Covid-19, os dados são fundamentais para sustentar qualquer estratégia. Gráficos e números sobre infectados, mortos e curados se transformaram nas manchetes diárias, e sustentam debates sobre a questão fundamental: salvar vidas, pela saúde e pelo suporte econômico. (The Economist – hard choices)

Pela ótica da economia, as ações do governo visando a distribuir benefícios dependem do uso de informações, algumas ainda não existentes. O uso do cadastro único do Governo Federal deverá ser combinado a outras bases de dados governamentais para checar os critérios de exclusão dos trabalhadores informais brasileiros. Com um cadastramento prévio, aproximadamente 15 milhões de pessoas deixarão de ser “invisíveis” aos olhos do Estado.

Sob o ponto de vista da saúde, novos tipos de teste têm sido criados para gerar dados que ainda não possuímos. Testar massivamente e rastrear os contaminados assintomáticos é uma estratégia descrita pela ciência e utilizada em países que conseguiram achatar a curva de contágio, e dependem de informações coletadas e de sistemas de monitoramento individuais e georreferenciados.

Quanto mais resultados confiáveis dos testes, mais rápidas e efetivas serão as ações de prevenção do contágio e de abertura das atividades econômicas. Iniciativas como a do Governo do RS e a Universidade Federal de Pelotas, que pretendem fazer uma amostra estatística da população para prever o número de infectados, e a da Unicamp, que pretende verificar no sangue a “impressão digital” do vírus utilizando Inteligência Artificial, tentam avançar no aumento de volume das informações de qualidade.

A informação está no centro do conhecimento, pois a capacidade de lidar com um problema é proporcional ao que se conhece sobre ele. E é isso que torna a luta contra o vírus tão mais complexa, pois os dados ainda são incompletos e imprecisos. Ao mesmo tempo as informações são essenciais para, quando combinadas com o uso da tecnologia, prover eficiência, rapidez e escala na solução de um problema complexo e global como a Covid-19.

A gestão das informações produzidas, custodiadas e distribuídas pelo Estado, em seus diversos níveis (Federal, Estadual e Municipal), são fundamentais para a agilidade na tomada de decisão e para a melhoria dos resultados.

As dificuldades maiores neste campo não são tecnológicas e nem oriundas desta crise. Muitas vezes, é difícil entender o significado dos dados, conversar com quem entende sobre eles e entender os interesses quem os acessa. A alfabetização em dados (tradução adaptada do termo data literacy) faz muita diferença para decidir e liderar com base em evidências e na clareza sobre que informações são necessárias e confiáveis para resolver um problema.

Um novo perfil de profissional público, analítico e ágil, precisa reconhecer na alfabetização em dados uma competência básica, fundamental agora e no futuro.

O que virá depois do choque da pandemia? Em quanto tempo a sociedade estará utilizando um ID nacional, vigente em todos os estados, de preferência integrado com um prontuário eletrônico integrado em todo o país? Como as informações estruturantes nacionais serão integradas, administradas e utilizadas, com a devida segurança aos dados pessoais prevista na Lei Geral de Proteção de Dados?

Embora haja evolução constante nessa competência pelos agentes do Estado, o aumento da capacidade técnica e a disseminação da destreza em dados por profissionais públicos podem mudar o paradigma de eficiência e de efetividade das políticas públicas, da gestão de riscos e das próximas crises.

Entre as mudanças estruturais que a pandemia irá gerar, que conste a destruição dos silos de informações públicas, a formação de profissionais e lideranças públicas em gestão orientada a dados e a readequação de papéis e de estruturas organizacionais multidisciplinares, interinstitucionais, intergovernamentais e abertas.

E que no recomeço, a informação seja finalmente reconhecida e tratada como um ativo estratégico nacional, de qualidade, transparente e segura.
 

Wesley Vaz é servidor público federal, profissional certificado em estratégia e inovação pelo MIT e mestre em Ciência da Computação pela Unicamp. Co-autor do livro “A descomplicada contratação de TI na Administração Pública”.

Fonte: Poder 360

Publicações recentes

Jurisprudência Comentada: Lei das Estatais. Serviços de TIC. Preço global. Ausência de critérios de aceitabilidade de preços unitários. Irregularidade.

Por:

Na contratação de serviços de TI por empresa estatal, a inexistência de critérios de aceitabilidade de preços unitários em licitação […]

20 de junho de 2024

Quem é responsável pela elaboração do Estudo Técnico Preliminar?

Por:

A Lei 14.133/2021 define, no inciso XX de seu art. 6º, o Estudo Técnico Preliminar como o “documento constitutivo da […]

17 de junho de 2024

A inexigibilidade de licitação pautada na notória especialização do profissional ou da empresa no Sistema S

Por:

Os novos Regulamentos para Contratação e Alienação do SESI e do SENAI estabelecem: “Art. 8º. O processo de seleção sem […]

10 de junho de 2024