“IENIZAR” É A SOLUÇÃO?

Algo que me deixa em constante reflexão: a prática de editar normas para solucionar problemas. Solucionam-se uns, criam-se outros, as vezes até bem complexos. Encontrar o equilíbrio entre o que deve e não deve ser regulamentado e identificar os riscos envolvidos não é, definitivamente, algo simples, especialmente quando falamos de normas operacionais, aplicadas por quem está na “linha de frente”, sujeito a variantes concretas inimagináveis. Por isso, na dúvida, menos é mais.

Há tempos a prolixidade do sistema normativo de licitações e contratos brasileiro sofre severas críticas, aparentemente ineficazes. A profusão de normas traz um efeito colateral claro: inovações dignas de aplauso acabam ficando à sombra de normas repetitivas e inócuas ou de regras extremamente detalhadas e limitante, que não ajudam e, as vezes, atrapalham.
Verdade seja dita: precisamos de normas que orientem, padronizem, facilitem a vida do agente. Normas enxutas e assertivas, libertadoras e não escravizadoras. Quanto mais regras a observar, maiores as dificuldades para os gestores, maior a complexidade do controle, maior o risco de supervalorização dos meios em detrimento dos fins. Menos é mais.

Há uma máxima de que a quantidade de regras vigentes em um sistema jurídico é inversamente proporcional à confiança na capacidade de seus destinatários. Em tempos de luta contra o “apagão das canetas”, vale a pena pensar seriamente sobre isso.

Publicações recentes

A inexigibilidade de licitação pautada na notória especialização do profissional ou da empresa no Sistema S

Por:

Os novos Regulamentos para Contratação e Alienação do SESI e do SENAI estabelecem: “Art. 8º. O processo de seleção sem […]

10 de junho de 2024

A Lei 14.133/2021 e a participação de empresas reunidas em consórcio em licitação

Por:

Em preliminar importa observar que consórcio, para fins de licitação, se consubstancia na união transitória de duas ou mais pessoas […]

4 de junho de 2024

Sistema S e o cabimento da adoção dos regimes de execução de contratação integrada e de contratação semi-integrada

Por:

Os Regulamentos de Licitações e Contratos do SESCOOP, SENAC, SESC, SENAR, SENAT e SEST[1]  preveem: “Art. 4.º Para os fins […]

13 de maio de 2024